quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

SONHO DE VALSA - A VALSA DO TEMPO....




Parou a chuva, ainda sinto o cheiro de terra molhada e os primeiros raios de sol.
O sol aparecia devagar, seus raios, tímidos, sorrateiros,como se fosse difícil chegar depois de tanto tempo escondido.
A calçada em volta da casa, já quase seca, tinha ainda um pouco de  umidade, mas capaz o bastante para se transformar em cenário para um sonho de menina. Nela espalho os papéis rosa choque, que envolvem o bombom Sonho de Valsa, eles sempre foram iguais aos de hoje, guardados, juntados com muito carinho e cuidado. Espalho e sonho.
Há! Aquela cor!
Os desenhos!
O nome!
E a minha cabecinha de menina, já se achando quase moça, se punha a voar, a devanear, a dançar, percorre salões, salões nunca visitados, mas muito imaginados, eram complementos de  todos os salões vistos e admirados nas revistas “O Cruzeiro” e outras do gênero.
O casal estampado no papel do bombom está percorrendo o salão, o vestido dela era daqueles admirados nas folhas dos figurinos ou quem sabe da estória da Cinderela e os sapatos, Luiz XV, é claro, tudo tão distante da realidade vivida. Mas que importancia tinha se a menina usava vestido de um estampado simples, bem comum e se no pé usava uma conga azul e se o cenário daquele momento estava tão distante dos grandes salões, como um polo do outro.
A única coisa a se levar em conta era que aqueles papéis de cores berrantes para a época, traziam sempre duas alegrias, a de saborear o chocolate(unica coisa que ainda mantém o mesmo gosto de infancia) e a de, admirando-os poder  transferir-se para um mundo onde tudo era possível, tudo era lindo especial, um mundo completo, completo de sonho, de sonho de valsa.
A menina que fui, caiu na valsa do tempo, cresceu, aprendeu, amadureceu e um dia deparou com os mesmos papéis, só que agora em tamanho gigante, envolvendo deliciosos Ovos de Páscoa e ainda os olhei com um certo carinho, com um certo apego ou quem sabe um agradecimento pelas boas lembranças. Mas tudo foi modificado, hoje os papéis tem o tamanho do meu sonho de infancia, mas minha capacidade de sonhar foi reduzida a miniatura. Como eu gostaria de driblar a valsa do tempo e por um momento, ter de novo o sonho, o sonho que vinha com o sonho de valsa. 

Lúcia.

10 comentários:

  1. hehehe deu até pra ver a menina!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Era uma menina bem interessante! Bjs filho, obrigada!

      Excluir
  2. Lindo Lucia, poderia se transformar numa letra de música também ou num clip. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Rosa, pelo carinho e atenção de sempre!Gostei da idéia do clip. Um grande abraço.

      Excluir
  3. Adoro esse cronica, tão verdadeira. Mas hoje ela mudou, vc foi aos salões sonhados, esteve em Paris, Munich e tantos outros palacios por ai, a capacidade de sonhar daquela menina levou essa mulher tão longe!!! Quem diria que a menina do sonho de valsa pequeno, do interior de Minas iria chegar tão, tão distante!!!!! Pra que sonhar se podemos vivenciar!!!! Amo vc!!!! Mil bjosss!! Parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ju, suas palavras me emocionaram. Realmente foram os sonhos daquele tempo que me impulsionaram a ir em frente e mais longe!
      Ainda tenho sonhos a realizar! Amo vc e agradeço pelo carinho de sempre! Bjs com carinho!

      Excluir
  4. Fiquei emocionada... Pensar que durante um tempo partilhamos no mesmo salão e já dançamos vários Sonhos de Valsa. A vida é assim mesmo , nos obriga a crescer mesmo que queiramos vestido de cintura baixa e tranças nos cabelos, o sapato nem importa. Mas o melhor de tudo é olhar para trás com a mesma doçura de antes, sinal que mantemos o gosto pela vida e que não passamos por ela em vão. Como todo poeta sonhamos e realizamos muito mais que muitos!
    Simples assim!

    ResponderExcluir
  5. Também fiquei emocionada com suas palavras e tenho a lhe dizer que aquele tempo em que partilhamos o mesmo salão foi muito importante para o nosso crescimento, era ainda um tempo de sonhos e nossas realizações aconteceram, às vezes não da maneira que queríamos, mas como tinha de ser. Ainda bem que somos poetas, para quem a vida sempre, mesmo sem soluçao, tem razão! Obrigada pela sua amizade e atenção!

    ResponderExcluir
  6. De todos que li esse retrata a vida de muitas de nós, lendo revivi em memória minha infância e adolescência, já joguei biloca com a turma de meninos na rua, fiz coleção de papel de balinhas (nossa ainda bem que passou a fase, não sei do gosto pela balinha ou pela coleção). Saudades de um tempo que a única preocupação era se ia chover ou não, pra programar o jogo de volei ou ir ao campo assistir jogos, e quantas vezes o tempo nos traiu, ainda bem, pq voltar para casa correndo pela enchurrada nao tem melho.... Lindo o seu Sonho de Valsa.

    ResponderExcluir
  7. Obrigada Delízia! Concordo com vc,temos as melhores lembrança dos tempos em que não tínhamos preocupações, tinhamos pequenas responsabilidades e principalmente acabeça cheia de sonhos!

    ResponderExcluir